A doce vida de pesquisador 2

Desde que escrevi sobre a “doce” vida de ser pesquisador no Brasil, muita gente acessou o gamecriticas buscando como ser, ou como é a vida de um pesquisador de game. De lá pra cá eu quase não toquei mais no assunto, mas volto agora para abordar um pouco mais essa questão e ajudar as pessoas a entender um pouco melhor o caminho das pedras.

Antes de mais nada, ressalto logo de cara que ser pesquisar sobre games NÃO significa passar o tempo jogando despretensiosamente! Eu já falei isso e volto dizer: ser pesquisador de games não quer dizer que você se tornará um palpiteiro, que vai receber todos os jogos de graça diretamente das produtoras, vai testá-los e todos vão ouvir sua opinião sobre isso. A coisa é bem diferente.

Primeiro, não basta ser jogador e/ou amar jogar videogame para entrar nesse meio. Vou apresentar um pouco da minha história para que todos possam entender que talvez o mais importante nisso tudo seja a dedicação.

Durante minha graduação em Educação física (sim Educação física) eu estudava muito sobre a atividade jogo e também estudava muito as questões do lazer na sociedade contemporânea. Unindo uma coisa a outra eu logo comecei a estudar os jogos de videogame, mais especificamente o futebol eletrônico.  Esse era um trabalho acadêmico e como qualquer outro demandava muita leitura e uma busca constante por bibliografia. Durante minhas buscas, os autores mais encontrados (ou mais lidos no meu caso) vinham da linguistica, mesmo porque estudar um tema não significa ler e estudar SOMENTE sobre ele. Eram leituras sobre a geração Y, novas linguagens, novos letramentos, cinema, design e vários outros temas.

Dessa forma fui fazer meu mestrado no Instituto de Estudos da Linguagem na UNICAMP. Na pós graduação o trabalho e as leituras só aumentaram. Muito suor, congressos e publicações depois, hoje posso dizer que entendo um pouco sobre games e a partir de um determinado olhar. Não quer dizer que saiba tudo, nem que esteja sempre certo, mas tudo que falo e comento é pautado na imensa lista de textos que li para chegar até aqui.

De nada adianta ter um bom argumento ou saber a história do videogame ao longo do tempo na ponta da língua. É preciso um conhecimento adcional e real. É preciso muito estudo e determinação e cabe lembrar que trata-se de um meio de pesquisa como outro qualquer em alguns aspectos, exigindo publicações, metodologias rígidas, prazos etc.

Conhecer e jogar os jogos é parte importante do trabalho, mas em determinados momentos e de determinadas formas. As vezes somos obrigados a jogar coisas que nos desagradam ou que simplesmente não despertam qualquer interesse. Isso sem contar que não se trata apenas de jogar, comendo salgadinho enquanto conversa com os amigos pelo facebook. É preciso um olhar diferenciado, mais análitico e que nos cansa muito. Posso inclusive confessar que em certas épocas do meu mestrado passei bastante tempo sem jogar, por falta de tempo. Era artigo pra ler aqui, disciplina ali, texto acolá etc.

O que quero dizer é que para entrar nesse meio é preciso um diferencial. Eu sou educador físico de formação, mas isso não me impediu de estar onde estou, pelo contrário, possibilitou um olhar diferente do que já existia à época. Mas se for pra falar mais do mesmo, não precisariamos de pessoas novas, pois já bastariam as que lá estão.

Ainda pretendo escrever mais a respeito, mas quem tiver alguma dúvida, não exite em perguntar!

Apenas para registro, o gamecriticas já ultrapassou a marca de 2 mil acessos em sua curta existência. Obrigado a todos pela contribuição!

Ultrapassamos 2000 visitas!
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s