SBGames 2012, dias 2 e 3

Dando sequencia a meu pequenino diário de campo do SBGames, escrevo hoje um resumão do segundo e do terceito dia de simpósio. Sim, estou com um pequeno delay, mas foram dias corridos, não tive tempo de sentar com calma na frente do pc para escrever um texto decente enquanto o evento rolava. Creio que no máximo até quarta feira apresentarei meu balanço geral e as principais impressões que tive com o SBGames de Brasília.

No segundo dia, com credenciamento já realizado e conhecendo o interior do centro de convenções resolvi me arriscar a dar uma volta pela feira, que ocorria logo no saguão de entrada. O número de pessoas era impressionante, muitos cuirosos e apaixonados por games faziam filas e barulho aguardando para por as mãos em algum jogo indepentente ou disputar uma partida de algum jogo de luta.

O estande do Banco do Brasil era imenso e trouxe até um robo gigante que dançava e “cantava” o hit do sul coreano Psy. Havia muitos jogos sendo expostos e muita coisa rolando ao mesmo tempo: Apresentações no palco, mostra de artes, cosplay etc.

Já nos tracks, mais uma vez acompanhei o da cultura. Na parte da manhã foram apresentados os trabalhos relacionados a educação e a tarde sobre metodologia. Mais uma vez os trabalhos estavam muito bons e no segundo dia as apresentações foram melhores. Particularmente gostei muito do trabalho do Isaque Elias e Cristiane Vidal entitulado “When brazil enters in the Koprulu sector: the Starcraft II Localized into Brazilian Portuguese” da Universidade Federal de Santa Catarina. Eles abordaram não apenas a questão linguistica, mas tudo aquilo que envolve localizar um jogo em território nacional. Não a toa eles levaram o prêmio de melhor full paper no track da cultura. Após a apresentação eu pude conversar com o casal de autores, que não apenas mostrou grande conhecimento sobre o assunto como também imensa simpatia. São nesses momentos que sentimos gosto por participar de encontros dessa magnitude.

Saindo da sala de apresentações do track da cultura fomos direto para a plenária. Nela foram apresentados os dados do SBGames 2012, que bateu recorde de público e deinvestimentos. O custo total do evento ultrapassou R$ 700 000,00 e contou com mais de mil inscritos, além dos participantes gratuitos que apenas frequentaram a feira. Ficou decidido também que o SBGames de 2014 será realizado no RS, na Puc de Porto Alegre (o do ano que vem será em São Paulo, na Mackenzie, mas isso já era sabido).

No mesmo dia a noite ainda rolou a exibição do filme “Indie game” que não fiquei para assistir, pois achei melhor aproveitar para conversar com conhecidos e discutir a respeito de jogos e outros assuntos. Após o filme rolou o famoso coquetel, em conjunto com a premiação dos jogos independentes. Não dei tanta atenção a essa premiação, pois estava tudo um tanto caótico, mas vi que o pessoal da casa abocanhou a maioria dos prêmios, ficando as estatuetas em Brasília mesmo. E assim se encerrou o segundo dia.

E após a exibição do filme aconteceu o coquetel e o encerramento do segundo dia

 

O terceiro dia do SBGames foi o mais curto pra mim, pois não consegui participar no período da manhã, mas com certeza foi bastante interessante. Cheguei a tempo de ver a teleconferência de ninguém mais, ninguém menos do que Chris Crawford. Você não o conhece? então veja aqui o currículo desse distinto senhor. Ele é simplesmente um dos primeiros desenvolvedores de jogos da história, sendo parte da vida da Atari e de muitos jogadores da primeira geração.

A fala de Chris foi incrível e foi possível perceber o quanto os atuais produtores podem e devem aprender com a voz da experiência. Através de imagens e palavras e fez uma interessante analogia e mostrou que, descontando a evolução dos gráficos, os jogos mantém muitas semelhanças com os jogos antigos e que preciamos dar mais asas a criatividade e nas relações entre pessoas e não apenas entre personagens e objetos, itens etc.

Outro dado interessante apresentado foi o custo dos computadores antigamente e atualmente. Chega a ser assustador pensar que antigamente um computador custava algo em torno de 10 centavos de dollar por byte, enquanto atualmente sai por cerca de 0,00000005 centavos de dollar por byte. A diferença é gritante e nos faz pensar o quanto realmente poderíamos estar produzindo jogos ainda mais interessantes e ousados.

O sr Chris Crawford foi o palestrante do track da cultura

Terminada sua apresentação ocorreu logo em seguida a entrega dos prêmios de melhores papers de cada trilha e o encerramento do evento e o balanço geral do SBGames 2012.

Nos próximos dias trarei minha crítica sobre o evento e aquilo que mais atraiu minha atenção e o que deveria ser mantido ou alterado pela organização. Foram três dias intensos, de muita conversa e aprendizado. Conheci pessoas fantásticas e participei de interessantes discussões. Ano que vem estarei na Mackenzie, no SBGames 2013, que já tem até site. Nos vemos por lá!

Até,

Gustavo Nogueira de Paula

OBS: O Game & Criticas já deixou bem pra trás a marca de 5 mil visitas e não para de crescer. Mais uma vez obrigado aos colaboradores.

deixamos bem pra trás a marca de 5 mil visitas
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s