Jogo indie, jogo gourmet

Pipoca, tapioca, brigadeiro, cachorro quente, cerveja, sala de cinema, salão de festas, terraço, hamburguer… qualquer coisa que você imaginar hoje em dia pode vir com o adjetivo gourmet. Em alguns casos trata-se de mero acréscimo de preço, em outros de reestilizações forçadas de receitas clássicas. Ambos os casos remetem a uma simples onda de mercado para gerar mais lucro e seduzir consumidores desatentos ou sedentos por esbanjar um pouco. Nada de novo, apenas estratégias de mercado.

claudia-gazel-paris-na-onda-do-hamburguer-gourmet-bistro

Porém, essa gourmetização esconde um gostinho pelo desprezo. Por que comer um lanche que todo mundo come, se posso pagar o dobro por um hamburguer gourmet e me distinguir do resto das pessoas? Pensamento mesquinho e superficial, mas que ronda a cabeça de muita gente.

Também gosto de boa comida e boa bebida, creio que todos gostem. Particularmente também tenho minha preferência por cervejas artesanais já tem uns bons anos, tendo inclusive produzido algumas levas caseiras em parceria com amigos. Se puder optar, sempre tomarei uma artesanal nacional ao invés da típica cerveja de milho e arroz. A diferença é a forma com que tratamos as pessoas que tomam a cerveja “comum”.

Sim, o Game&Críticas é um blog sobre games e essa longa introdução é pra falar sobre algo que tenho percebido ultimamente. Ainda não é algo tão comum, mas já começa a surgir a gourmetização dos jogos. Não na produção, mas no consumo. Se você joga Games AAA pode acabar sendo taxado de ignorante, consumista e uma série de adjetivos nada bons. O Hype é encontrar jogos que ninguém conhece, ninguém joga e falar de boca cheia que o jogo é requintado, isso e aquilo.

Acho ótimo essa busca por jogos alternativos, mas o desprezo por quem joga os games comuns é tão ridículo como qualquer outro preconceito. É a reprodução de preconceito que vários jogadores sempre sofreram, mas agora de forma “interna”. É a típica síndrome do “exclusivismo” ou “anti modismo”. Fulano sempre ouviu/vestiu/comeu determinada coisa, mas se ela entra na moda, perde a graça. Só é divertido enquanto é exclusivo.

gameloading-rise-of-the-indies-documentary-film-images

Há um longo processo para que a grande massa de jogadores passe a apreciar uma quantidade maior de jogos e não apenas Fifa 10, 11, 12, 13, 14… Call of Duty, etc. E há ainda aqueles que conhecem uma gama variada de jogos e ainda assim preferem jogos populares.

Preocupa-me essa onda “gourmet” dentro dos jogos, que trata os indies como a única coisa boa no meio dos videogames. Não é mérito algum se considerar melhor que os outros por consumir algo supostamente diferenciado. Espero que esse pensamento tolo seja varrido da cultura dos jogadores e que indies e AAA convivam pacificamente. Basta criar um escudo anti gourmet, que nos defenda contra o raio gourmetizador.

Gustavo Nogueira de Paula

Anúncios

5 comentários sobre “Jogo indie, jogo gourmet

  1. Tudo bem que o preconceito que vem com essa elitização das coisas em geral é um ponto negativo, mas não nego que também entendo o lado “gourmet” das coisas.

    Eu acho sim muito válido dar todo apoio á quem prefere games indie, filmes cult e etc… São áreas que normalmente nos oferecem aquilo que as produções “da massa” pecam em oferecer: boas histórias, enredo profundo, informação histórica/cultural e um maior cuidado com detalhes. Por que em sã consciência alguém iria preferir assistir sempre filmes como Os Vingadores, conhecendo o trabalho de Lars Von Trier? É mesmo explicável uma pessoa preferir uma história completamente vazia em detrimento de histórias como Dançando no escuro, tão rica e emocionante? A mesma coisa se pode dizer de alguém que só olhe para os Call’s of Duty’s da vida e esqueça de dar sua atenção à Binding of Isaac e Limbo.

    Ainda que em games o que mais conta seja o gameplay, não se deve apoiar TANTO os games “vazios”. Os indies são games normalmente que precisam de um suporte maior, produções quase independentes e em empresas pequenas. Já os AAA não, tem a sua disposição toda uma equipe, que podia muito bem criar boas histórias e trazer games mais completos. Pensando aqui… Será que se houvesse um “quase boicote” aos games rasos e uma preferência maior aos games mais profundos, será mesmo que não haveria uma melhora no enredo dos games de massa?

    Entendo que todos precisam de um descanso. Algo que você faça apenas pela diversão. Nada melhor do que assistir Bob Esponja e dar boas gargalhas para relaxar, após assistir Túmulo dos Vagalumes.

    Mas voltando ao assunto principal, com certeza o ruim disso é o preconceito. Não precisa achar que porque assiste/joga/lê coisas mais elaboradas que pode julgar quem não o faz. Mas também seria muito bom incentivar mais pessoas a fazê-lo. E claro, não é tudo que é desconhecido que é bom, e nem tudo que é conhecido é ruim ou vazio. É preciso ter discernimento.

    1. Gustavo de Paula

      Olá Gabriel.

      Acho que você foi perfeito no seu comentário. Boicote eu não sei se seria a palavra, mas é quase isso mesmo. Acontece que com uma boa educação para os jogos eu tenho certeza que os jogadores seriam mais críticos e, consequentemente, procurariam pelos jogos alternativos ou jogos mais profundos de uma maneira geral. Estamos vendo uma nova fase dos videogames e espero que os indies sejam o pivô de uma grande evolução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s