Facebook já causa mais distúrbios que violência infantil

Segundo pesquisas norte americanas, o uso excessivo do Facebook pode levar pessoas a crises de ansiedade, agressividade e depressão, levando até mesmo a morte em casos extremos.

Sim, é claro que inventei isso. O título sensacionalista e descuidado é apenas para chamar atenção para algo muito comum em tempos de opiniões extremadas na internet: A força da crítica, dos títulos e das expressões e textos ditos sem reflexão. Da noite para o dia as pessoas se tornam entendidas dos assuntos, meramente por terem lido um texto título no G1, MSN, ou seja lá onde for. As vezes as fontes são ainda mais obscuras do que estas citadas. Como é de praxe, vamos aos exemplos da nossa vida privada.

No cinema temos excelentes histórias recentes. Algumas semanas antes deste texto ser escrito aconteceu a premiação do Oscar 2016. Em qualquer rede social que se entrasse o que mais veríamos seriam as pessoas apontando seus favoritos, montando suas listas, falando que o Di Caprio “realmente merece” etc. Acho que algumas pessoas até se tornaram amigas pessoais do Leo. O que vi pouca gente comentar foi dos inúmeros filmes interessantes que ficaram de fora, da ausência de negros e por aí vai. Há poucos dias eu finalmente assisti a robertadalsenter_img3-1“Beasts of no nation” e lamento bastante sua ausência na premiação. Um dos melhores (se não O melhor) filmes de 2015 simplesmente não foi indicado a nada, categoria nenhuma!

Nada contra os filmes indicados, mas debater o Oscar, apenas por seus indicados etc e achar que entende de cinema é o mesmo que ler um livro de regras e achar que entende de futebol. E olha que nem sou entendido de Cinema a ponto de me aprofundar tanto nas críticas.

Outro exemplo do cinema recente e talvez até mais interessante que o anterior. O filme “A bruxa” estreou faz pouco nos cinemas nacionais e com isso a internet ficou dividida entre “gostei”, “melhor de todos os tempos” e “lixo” (não, não existe muito meio termo na internet). Se seu círculo de amigos no Facebook gostou do filme, então pega mal dizer que não entendeu nada. Se todos eles falam mal e você adorou, pega mal expor o quanto “eles não entendem nada de cinema, sobretudo de horror”. Somos então brindados com várias opiniões envoltas em ataques pessoais e análises tão rasas quanto as de Rodrigo Constantino para falar de política.

Chegando aos games, finalmente. Com o crescimento dos jogos indie e popularização dos jogos em plataformas móveis, a diversidade de opções aumentou bastante, apesar de não tanto quanto ainda pode ser. Também cresce o número de pesquisadores e entendidos do assunto. Acontece que na maioria das vezes estes “entendidos” do assunto estão ocultos, escrevendo teses acadêmicas, indo a campo, produzindo roteiros alternativos ou escrevendo para sites menores. Mas basta um youtuber famoso (as vezes, mas só as vezes, patrocinado) falar bem de determinado jogo e a massa corre toda atrás dele. Nada contra a presença dos youtubers emitindo suas opiniões, mas vejo cada vez mais o poder da crítica chegando aos jogos de videogame e isso ainda acontece de forma bastante estranha. Em geral as análises dos grande sites são superficiais demais e não tocam em várias camadas importantes da constituição de um game. Por outro, ainda não há um formato realmente bem definido e estabelecido para a crítica de games, o que também dificulta aos interessados a realizarem buscas mais refinadas. O que acabamos vendo no fim das contas é a máxima “se fulano gostou daquele jogo, então vou jogar também e é bom que eu goste”. Se falamos de um jogo indie, meio artístico então, aí a coisa fica mais enroscada ainda, pois não gostar e expressar isso seria quase como um atestado de ignorância, algo que pode ser fatal na era Facebook etc.

flower-game-screenshot-1-b.jpg

Os games ainda precisam de boas análises e que elas sejam acessíveis aos jogadores. A diversidade cresceu, mas a profundidade das opiniões nem tanto. Mesmo que em muitos casos os jogadores sejam relativamente preguiçosos e acabem consumindo mais do mesmo, isso se deve em parte pela falta de empenho da mídia e da crítica em apresentar e abordar as novidades, de maneira clara, sóbria e direta para com seu público. É triste observar que muitos tentam transformar os jogos em algo cult na tentativa de legitimá-los ao invés de justamente realizar o contrário, evidenciando o quanto os jogos podem (e são) expressões artísticas, e bastante acessíveis ao grande público.

Um texto um pouco mais ácido do que de costume, mas trata-se apenas da incredulidade diante da desinformação das pessoas, justamente em uma era com tantas fontes de informação possíveis.

Gustavo Nogueira de Paula

OBS: Espero que ninguém comente o link baseado apenas no título

Anúncios

4 comentários sobre “Facebook já causa mais distúrbios que violência infantil

  1. JOSE ANTONIO LUCAS DE OLIVEIRA

    Poderiamos ampliar esse conceito embutido dentro do tema “Jogos Indie”, para “consumo Indie”, a meu ver vivemos há alguns anos sob essa influencia e com certeza viveremos mais algumas décadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s