Trono manchado de sangue

Alguns textos nós escrevemos esperando aprovação dos leitores, com direito a comentários de apoio e incentivo. Normalmente são textos que não costumam gerar muita discórdia e, por mais que até possam ser polêmicos eventualmente, acabam por agradar a maioria das pessoas, que refletem a respeito do tema e trazem ótimas contribuições para ampliar ainda mais o debate. Este texto que escrevo agora, não é um destes casos.

Com o passar do tempo, vamos nos conhecendo cada vez mais e valorizando aquilo que gostamos, deixando de lado as coisas com as quais temos menos afinidade ou interesse. Isso, e a velocidade de informação e transformação que as tecnologias proporcionam, fazem com que rapidamente fiquemos por fora de determinados assuntos, por mais que até gostemos dele. Quer um exemplo? Música. Conheço muito pouco do que toca atualmente, mesmo tendo acesso a ferramentas e aplicativos musicais que eu jamais sonharia ter quando era criança. No entanto, na maior parte do tempo ainda ouço música mais velha e isso vai gerando um ciclo constante de desatualização nesse sentido. Dependendo do círculo social que estiver frequentando esta “desatualização” pode não ser nada cool.

Porém, não vim para lamentar meu envelhecimento, nem minha desatualização musical, mas sim para falar de umas séries de maior sucesso da TV (talvez a de maior sucesso atualmente): Game oh Thrones. Série que, assim como na música, sou desatualizado e não gosto muito de ver.

Game-of-THrones-Jon-Snow-Season-6

Todos (generalizando) assistem a GoT e rasgam elogios à série. Eu, como fã de Sr. dos Anéis, RPG, Caverna do Dragão etc, fui quase coagido a assistir também, anos atrás. Vi. Não gostei muito. Tempos atrás resolvi ver de novo e achei interessante: Cenários incríveis, figurinos impecáveis, boas interpretações, um roteiro bem construído e filmagens pra lá de bem feitas, porém, continuo não gostando. Não acho ruim, chato, mal feito, nem nada disso, mas simplesmente não consigo simpatizar completamente com GoT e há um motivo principal para isso: Violência gráfica extrema e com grandes toques de fetichização .

Estupro, arremesso de fezes, cabeças, muitas cabeças, rolando, explodindo etc, mortes, mortes, mortes e as vezes mais mortes. Todos episódios que assisti tiveram pelo menos meia dúzia de pessoas morrendo. Não estou falando de monstros, zumbis, dragões ou algo desse tipo, estou falando da morte de personagens humanos, com profundidade etc. Mais incrível ainda é ver o quanto as pessoas comemoram a morte de determinados personagens. Isso me choca bastante e me faz ter dificuldades com a série. Parece haver muito prazer na morte e na violência como um todo.

Como jogador e estudioso de videogame, sei bem o quanto os jogos podem ser violentos também. Não vou ficar aqui tentando mensurar o que é mais ou menos violento, mas enquanto experiência pessoal, pouquíssimos foram os jogos que experimentei que escancarassem tanto assim a morte das pessoas, muito menos com todo esse glamour e frequência.

Fique claro: Não estou fazendo juízo de valor a respeito da série, pois entendo perfeitamente bem os motivos do seu sucesso. Apenas não consigo me tornar fã, como supostamente eu deveria ser. Particularmente, não acho  que possa ser normal uma cena de um cara imenso estuprando uma mulher bem menor que ele, com ares de 1 a 1 a a a a game dany estuprada no pilotosensualidade.

Talvez seja como na música, estou ficando velho e meus gostos ainda são moldados pela minha memória afetiva, em que eu saltava sobre cogumelos, disparava cascos de tartaruga, metralhava alienígenas monstruosos ou zumbis, etc. Em Sr. dos anéis, no livro todo, a violência é descrita como algo maléfico (por mais maniqueísta que seja as vezes) e isso não o torna um conto de fadas, nem diminui seu brilho, muito pelo contrário.

Continue fã de GoT, pesquise, assista etc, mas por favor, repare nestes detalhes da próxima vez que assistir a algum episódio.

Gustavo Nogueira de Paula

Anúncios